Bigmãe
Métodos contraceptivos na adolescência

Métodos contraceptivos na adolescência – qual o melhor?

A partir do momento que uma menina tem a primeira ovulação e menstrua, o seu organismo já é capaz de gerar uma vida. Por isso a importância de conhecer e escolher o melhor, dentre os métodos contraceptivos na adolescência. Só assim estará preparada o suficiente para ter relações sexuais, sem contrair doenças sexualmente transmissíveis ou passar por uma gravidez indesejada.

É na adolescência que surgem os hormônios que permitem que a mulher tenha seu período fértil para reprodução. O que não significa que ela deve (por obrigação) manter algum tipo de relação sexual. É muito importante estar preparada, ter o seu momento e, principalmente estar bem informada.

Como escolher o melhor método contraceptivo na adolescência?

Trata-se de uma nova fase da vida, na qual o organismo está em fase de mudança e portanto o momento certo para começar a aprender sobre ele. A primeira recomendação é procurar por um médico (a) especialista para conversar, tirar dúvidas e fazer os exames que forem necessários nessa altura. Só assim conseguirá determinar com mais precisão qual será o melhor método contraceptivo na adolescência:

  • Métodos Contraceptivos Naturais;
  • Métodos Contraceptivos de Barreira;
  • Métodos Contraceptivos Hormonais.

Dentro destas três categorias existem 18 métodos que podem ser utilizados ou combinados entre si para maior segurança, não apenas com relação à gravidez, mas também às doenças. Clique nos links abaixo para saber mais detalhes sobre cada um destes que serão citados.

Métodos Contraceptivos Naturais

termómetro basal

Apesar de serem métodos que não fazem uso de substâncias químicas (hormônios) ou dispositivos, nesta fase da adolescência estes podem ser um pouco mais complicados. Isto porque é preciso conhecer o corpo, identificar os seus sinais e perceber quando é que acontece o período fértil para a prática da abstinência sexual. Além disso, os métodos contraceptivos naturais não protegem contra doenças. São eles:

1. Calendário Ogino Knaus (tabelinha);
2. Temperatura basal;
3. Muco cervical (Billings);
4. Sintotérmico;
5. Do dia (standard);
6. Coito interrompido (exceção quanto a abstinência sexual);

Recomenda-se que a escolhe de um destes como método contraceptivo na adolescência seja feito antes do início das relações sexuais. Isto pelo fato de que requer da mulher a observação o seu corpo, para identificar suas fases. É muito importante se sentir a vontade com estes métodos para fazer o controle.

Métodos Contraceptivos de barreira

preservativo masculino

Estes são os mais comuns de serem utilizados e o único em que permite o sexo masculino fazer a contracepção. Trata-se do método contraceptivo de barreira mais utilizado e um dos mais eficientes (quando colocado da forma correta): o preservativo masculino ou feminino. Além disso, é o único que protege contra doenças sexualmente transmissíveis.

1. Preservativo;
2. Espermicida;
3. Diafrâgma;
4. Capuz Cervical;
5. Dispositivo Intrauterino (DIU);
6. Esponja.

Optar por um destes como método contraceptivo na adolescência, combinado com os hormonais – atenção que alguns destes já fazem a liberação hormonal durante a utilização -, representam uma taxa acima dos 95% na contracepção.

Vale ressaltar que, o diafragma, o capuz cervical e a esponja, requerem consulta médica para avaliação do seu uso e ensinamento de como introduzi-los. No caso do DIU, apenas é possível com intervenção médica.

Métodos Contraceptivos Hormonais

pílula anticoncepcional

Os métodos contraceptivos hormonais são os mais utilizados entre as mulheres. Apesar de fazerem uso de químicos, trata-se de um procedimento reversível. Caso a mulher deseje engravidar, basta parar e dar um período de descanso ao corpo para que ele volte a ter seu período fértil (ovulação). Quando combinado com o preservativo, a pílula é considerada como o método contraceptivo na adolescência ideal.

1. Anticoncepcional Combinado Oral (Pílula);
2. Adesivo;
3. Dispositivo Intrauterino Hormonal (DIU);
4. Anel vaginal;
5. Implante subdérmico;
6. Injeção hormonal.

O DIU hormonal e o Implante subdérmico são feitos com por um médico. Já o anel vaginal deve ser consultado também, para que possa ensinar como introduzi-lo da forma correta.

Agora que você já conhece quais são os principais métodos contraceptivos na adolescência, deve “estudá-los” para encontrar, em conjunto com o seu médico, qual o melhor para fazer uso. Lembre-se que cada organismo é diferente e pode reagir de uma maneira. Por isso a importância deste acompanhamento.

Muitas mulheres acabam por optar métodos contraceptivos específicos (como os naturais) por diversos motivos, como não adaptação ou reação alérgica aos dispositivos de barreira; disfunção hormonal ou doença que impeça a ingestão de químicos hormonais; por questões religiosas ou simplesmente por opção e adaptação.