Massagem infantil Ayurvédica, fonte de vida

Hoje o Bigmãe traz para vocês mais um artigo de autoria de Yolanda Castillo, terapeuta holística do Centro de Medicina Holística sobre massagem infantil Ayuérdica. Veja como tornar a vida do seu bebê mais saudável.

Massagem infantil Ayurvédica, fonte de vida

A massagem infantil pratica-se há já milhões de anos, em diferentes partes do planeta, de norte a sul, de zonas quentes a frias; não importa a localização, o importante é que existem países no mundo, tais como: China, Egipto ou Índia, entre outros, nos quais a massagem infantil está implementada nas suas sociedades, que é considerada património cultural de cada um deles. Apesar das suas culturas serem diferentes, têm algo em comum, que é a tradição e apreciação da massagem infantil. Esta é uma tradição transmitida com amor, de geração em geração, pelas mulheres da família.

Em todas as culturas associa-se o contacto mamífero, a proximidade entre mãe e filho, por isso, desde tempos antigos, as mulheres dedicam tempo a dar massagens aos seus bebés para ajudá-los no seu desenvolvimento e fornecer-lhes numerosos benefícios.

massagem-ayurvedica-bebes

Existem diferentes tipos de massagens, dependendo das culturas que as desenvolveram. Uma das massagens infantis mais conhecida é a ayeurvédica. Em que é consiste esta técnica?

A massagem tradicional índia ou ayurvédica, destinada a bebés, não só é uma técnica de contacto físico terapêutico, como também uma arte de contacto através das mãos, dos olhos e do coração. Na massagem ayurvédica não só contam os movimentos e fricções sobre o corpo do bebé, mas também que exista um contacto visual intenso, uma comunicação visual entre o bebé ou a criança e a sua mãe, ou a pessoa que lhe aplica a massagem, criando uma relação de confiança entre ambos, que será o primeiro indicativo de que a massagem é boa para ele, por isso se converterá num tratamento diário.

Porque dizemos que também é um contacto através do coração?

Qualquer tipo de aproximação a um bebé ou a uma criança deve ser pacífica e amorosa, uma vez que eles são enormemente sensitivos e sensíveis. Por isso, a pessoa que massaja a criança deve fazê-lo com amor, de coração a coração, estimulando a sensação de um tato suave, transmitindo com cada toque, sentimentos e emoções positivas, tranquilas. Desta forma o bebé assimilará a massagem no seu dia-a-dia como algo natural mas ao mesmo tempo placentário. Será um momento para estreitar os vínculos de comunicação com “o massagista”. A massagem é um excelente modo de estimular os sentidos do bebé, já que, a criança procura com os seus sentidos o toque reconfortante da massagem, do sentir o tato suave e doce. A massagem infantil cria a base para uma boa comunicação futura, já que o bebé cresce com o hábito de sentir e comunicar-se.

Quando pode começar a aplicar-se a massagem no bebé?

A massagem ayurvédica infantil pode praticar-se no bebé desde o momento do seu nascimento, já que esta só lhe fornece benefícios e ajuda o organismo do bebé. Claro que não devemos esquecer a sensibilidade que possui o corpo do bebé depois do seu nascimento, por isso a massagem deve ser aplicada com muita delicadeza. Nos primeiros vinte dias a massagem terá uma duração de 10 minutos. Deveria ser aplicada sempre pelas manhãs, já que uma das suas funções é ativar os diversos sistemas físicos e energéticos do organismo.

É importante fazê-lo todos os dias à mesma hora, para habituar o bebé a saber qual é a sua hora de massagem e assim ganhar consciência da importância deste momento para ele. Depois dos vinte dias, a massagem terá uma duração de 25 minutos; tempo no qual o massagista deve estar plenamente concentrado em estabelecer e melhorar a comunicação com o bebé. Durante o momento da massagem, não só se pretende um conforto físico para o bebé, como também um bem-estar emocional e energético. Por isso é muito importante que a pessoa que aplica a massagem esteja muito atenta às reações do bebé face à massagem nas diferentes zonas do seu corpo, para detetar os pontos nos quais ele ainda não se sente cómodo ou não sente esse prazer que pretendemos. É importante que o massagista também esteja consciente do seu próprio estado físico e/ou emocional, já que se nalgum momento pontual não se sente bem, estará transmitindo o seu mal-estar ao bebé, porque no contacto físico estabelecido, existe um intercambio de energia. Energia que é modificada pela nossa forma de pensamento positiva ou negativa. Deste modo se a pessoa está a sentir dores ou mal-estar, não pode estar a vibrar numa energia positiva, por isso, o que nesse momento transmitiria ao bebé seria negativo. Quando o massagista tem noção que não se sente bem, nesse dia não deverá aplicar a massagem ao bebé, delegando essa tarefa noutra pessoa ou suspendendo o tratamento durante esse dia.

A massagem infantil deve aplicar-se até aos dois anos e meio de idade. A partir do primeiro ano de vida do bebé, os tempos podem aumentar se o “massagista” o achar adequado ou pode ser complementado com outras técnicas que forneçam bem-estar ao bebé, tal como o reiki.

Falamos constantemente de “o massagista” ou a pessoa ou pessoas que aplicarão esta massagem ao bebé, mas quem pode aplicar esta técnica no bebé?

A massagem infantil é uma técnica delicada, suave e amorosa, por isso, nada melhor do que ser aplicado em sua casa, pelos seus pais, para fomentar o vínculo e a comunicação entre mãe e filho. Enquanto o bebé ainda é um recém-nascido, é recomendado que seja a mãe a aplicar esta técnica ao bebé, uma vez que foi dentro do seu útero onde se desenvolveu e posteriormente ao parto foi com ela com quem cortou o cordão umbilical, por isso, a massagem infantil de mãe a filho, ajuda a que o bebé não sinta de forma tão brusca esse corte físico e energético que sofreu com a sua mãe. A aplicação da técnica faz com que o bebé não se sinta abandonado e nem a falta do contacto com as paredes do útero de sua mãe nem o calor que lhe transmite o corpo de sua mãe quando o tem nos braços durante a amamentação. Sempre há que ter um cuidado muito especial com a figura paterna, já que ele também é a chave em todo este processo de adaptação e assimilação do mundo. O bebé deve estreitar os vínculos com o seu pai e não criar um apego não saudável com a sua mãe, por isso, enquanto ainda é um recém-nascido, o pai deveria estar sempre presente durante a massagem, acariciando-lhe suavemente o rosto ou uma mão, sem interferir no trabalho que a mãe está a fazer, mas ao mesmo tempo estando presente e fazendo com que o seu bebé sinta que ele está ao seu lado protegendo-o a ele e à sua mãe em todo o momento. A partir dos vinte primeiros dias, o pai pode passar a ser um membro ativo dentro desta massagem terapêutica. Ele pode aplicar a massagem ao bebé, não só quando a sua mãe não se sinta em condições de o fazer, como também sempre que tenha oportunidade. É uma forma de pai e filho ganharem mais confiança um com o outro.

Quando o bebé fizer um ano, o seu irmão mais velho pode participar neste momento de união familiar, sempre guiado e acompanhado por sua mãe. Claro que não lhe aplicará uma massagem como fazem os seus pais, mas o toque que proporcionará ao seu irmão é muito importante para ambos. O bebé conhece mais intimamente o seu irmão mais velho, o seu cheiro, o seu tato, a comunicação visual, a energia que emana face a ele…o bebé adquire um mapa de emoções e sentimentos que o seu irmão lhe fornece, para ambos ganharem confiança. Por outro lado, a criança não se sente posta de parte depois do nascimento de seu novo irmão, não tem ciúmes nem o vê como uma ameaça para ele, mas sim como um aliado, um irmão, alguém que lhe ajudará a ser mais feliz. A criança melhorará a sua autoestima e se sentirá um membro ativo da família.

Existe uma série de cuidados necessários para que a massagem seja agradável para o bebé.

É importante que a temperatura do quarto onde se aplica a massagem seja agradável. Se o bebé sente frio, chorará, não se sentirá bem e a massagem não terá os benefícios desejados. Teremos sempre em conta para a sua aplicação, o uso de óleos ou misturas de óleos ayurvédicos indicados por um profissional na matéria. Estes são cuidados indispensáveis para o sucesso da massagem.

O seu sistema respiratório é muito beneficiado.

Que benefícios gera a aplicação da massagem ao bebé de forma contínua?

São numerosos os benefícios pelos quais vale a pena que os pais massagem seus filhos. Um dos mais notáveis é o relaxamento. A massagem facilita um sono profundo e tranquilo, desta forma melhora a sua qualidade e descanso. Seu efeito é relaxante e para além do mais tonifica a sua musculatura e potencia o desenvolvimento do sistema nervoso duma forma equilibrada. A massagem tem um papel muito importante no que diz respeito à aprendizagem de rotinas, horários e ritmos.

Para além disso, a massagem é uma excelente técnica para estimular a interação, já que o bebé aprende a comunicar-se. Primeiro com os seus pais e familiares e depois com o exterior. Os bebés que receberam massagem de forma habitual, não serão crianças tímidas, porque estão habituados a comunicar-se com o exterior. Em regra geral, soam ser crianças e adultos muito risonhos e expressivos, já que com a massagem provocamos movimentos energéticos e emocionais interiores que se manifestam nas relações com ele mesmo e com o exterior. Em todas as atividades de comunicação se aprende a dar e a receber, e a massagem não é exceção. O bebé aprende a receber com amor e generosidade e a dar com amor e respeito. O resultado final de todo este conjunto de emoções, é uma criança segura e confiante, sobretudo com ele mesmo e com o seu ambiente mais familiar.

Dentro do leque das infinitas possibilidades e benefícios que encontramos com a massagem infantil, também se destacam os benefícios físicos e energéticos.

Um dos mais importantes é que o bebé aprende a conhecer o seu próprio corpo duma forma saudável, compreendendo a importância do seu corpo, respeitando-o e não permitindo que os outros abusem do seu corpo. A massagem ajuda a que quando o bebé cresça e se converta em criança ou inclusive em adolescente, o seu corpo e a sexualidade não sejam vistos como um tema tabu mas sim como algo natural. A massagem favorece todo o seu organismo, ajudando a integrar e adaptar os seus sistemas corporais e fortalecendo o seu sistema imunológico.

Porque fortalece o sistema imunológico e quais são as vantagens?

Durante a massagem do bebé, acariciamos e estimulamos todo o seu corpo, todos os sistemas que os compõem, fortalecendo-os e ajudando a que energeticamente estejam equilibrados e sofram os menores bloqueios possíveis. Deste modo, tudo funcionará sem excessos e com equilíbrio. O sistema imunológico é essencial para que o bebé, sobretudo durante o primeiro ano de vida, não adoeça constantemente. Mas com a massagem, não só o estimulamos de forma física, ajudando a que os órgãos que os compõem trabalhem equilibradamente, como também que o fortalecemos com a atenção, amor, respeito e alegria que transmitimos ao bebé quando o massajamos. Para que um órgão ou um sistema de órgãos funcione adequadamente, é necessário que tenha um bom alimento emocional e energético. Quando o bebé não se chateia, não se sente triste e pelo contrário emana amor e está feliz pela massagem física e emocional que recebe, o seu sistema imunológico reforça-se e não adoece com a facilidade ou frequência que adoecem as outras crianças.

Que outros benefícios físicos recebe o bebé quando é massajado?

Os níveis de adrenalina são reduzidos de forma notável, já que não existe stress, pelo contrário, o bebé gera oxitocina, a chamada hormona do amor. Por isso, o bebé massajado tem um maior equilíbrio emocional, nervoso e hormonal.

Realiza um papel muito importante no desenvolvimento do aparelho respiratório do bebé e também equilibra os níveis de oxigénio. Um dos motivos é porque não existe stress que altere os ritmos normais da sua respiração. Recordemos que um dos problemas mais frequentes nos adultos da sociedade na que vivemos, é o facto de não saberem respirar adequadamente, porque com o stress quotidiano se “esqueceram” ou “o desautomatizaram”. Se o bebé obtém uma boa base de exercícios e estimulação respiratória, como na massagem, será mais difícil que durante os primeiros anos da sua vida se esqueça de respirar adequadamente.

As cólicas são um problema frequente em muitos bebés, e aqui também a massagem será de grande ajuda em estimular o sistema digestivo e aliviar as dores que lhes provocam as cólicas ou obstipação.

Falamos de todos os benefícios que a massagem fornece aos bebés, mas quais são as vantagens e benefícios que recebem os pais “massagistas”? E o seu ambiente familiar?

São pais mais seguros e conscientes das capacidades e habilidades inatas que têm como pais, como também mais conscientes da importância que a massagem tem para o seu filho. Durante a massagem, os pais aprendem a comunicar-se melhor com o seu filho e surge um entendimento mútuo; é uma excelente técnica para estimular o apego seguro e implicar o pai nas tarefas com o seu filho.

A nível familiar, gera-se uma grande união e implicação, sobretudo no caso de existirem irmãos maiores. Aprendem a respeitar-se, reduzem-se os conflitos e gera-se um ambiente de harmonia familiar.

Mas será que para além de proporcionar benefícios para o bebé e sua família, também existe outro tipo de vantagens nas quais estejam implicadas mais pessoas?

Sem dúvida alguma existem benefícios a nível global. Se a massagem infantil fosse uma técnica implementada no âmbito sanitário e hospitalar como uma técnica terapêutica de trabalho de pós-parto e primeira infância, sem dúvida viveríamos numa sociedade mais respeitosa e compreensiva, obtendo um fabuloso resultado social, diminuindo a percentagem de violência e também os casos de abusos sexuais durante a infância e adolescência.

A massagem infantil é o berço duma educação social-familiar saudável, que terá como resultado uma sociedade mais saudável psicológica, emocional e fisicamente. Apesar de vivermos numa sociedade guiada pelo stress e pelo “não tenho tempo”, se todos os pais fizessem o esforço de encontrar um momento no dia para dedicá-lo aos seus filhos, proporcionando-lhes um momento de atenção e uma massagem amorosa, ao longo do tempo, obteríamos uma sociedade menos agressiva e mais amorosa.

Yolanda Castillo
Centro de Medicina Holística
O início de uma nova vida.

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ

CONCORDA OU DISCORDA? ESCREVA O SEU COMENTÁRIO