Hoje o trazemos para vocês mais um excelente artigo escrito com exclusividade para o Bigmãe pela terapeuta holística Yolanda Castillo. O tema é de extrema importância e fala-nos sobre a preparação do corpo físico da mulher para receber o seu filho. Tenho certeza de que será de grande valia à todas as nossas leitoras que desejam ser mães brevemente. Vamos ver abaixo o texto.

Veja os demais artigos exclusivos para o Bigmãe em: Centro Medicina Holistica

Preparação do corpo físico da mulher para receber o seu filho

Em inúmeras ocasiões se fala do desejo que os casais têm de ser pais, ou do momento adequado, a partir do seu ponto de vista, para que a família cresça. Os futuros pais pensam em toda a preparação prévia de diversos factores: uma relação estável e harmoniosa entre o casal, sentirem-se emocionalmente e psicologicamente preparados para ter um filho, uma casa com as condições necessárias para o bebé, um trabalho que lhes dê segurança económica.

Eles acreditam que estas são as únicas mudanças que ocorrem quando organizam os preparativos para a futura paternidade. Mas esse processo não só começa a nível da preparação física ou a factores que os seus pais necessitam, mas aquilo que a futura mãe sofre no processo físico de pré-gravidez.

preparacao-corpo-fisico-inicio-vida-nova

Como se inicia este processo?

Em artigos anteriores, já havia mencionado que sete anos antes da concepção do bebé a sua alma já acompanha exta-físicamente a sua mãe e está presente no seu campo electromagnético e campo aúrico.

É o momento em que a alma do bebé começa a integrar-se com a da mãe, é assim que se dá o início da preparação. Também já havia mencionado que a presença deste novo ser, condiciona a mãe energeticamente nesta etapa da gravidez que está prestes a viver. Mas não é a única coisa que o bebé faz, para além de estar presente no campo energético da mãe, com toda esta antecipação, cria um vínculo de mãe e filho, que desempenha um papel fundamental na preparação do corpo físico da mulher, especialmente oito a nove meses antes de esta ficar grávida. Este vínculo é muito importante, pois liga mãe e filho para o resto das suas vidas.

Qual é a importância e função que o vínculo entre mãe e filho têm, neste processo de preparaçao do corpo da mulher para a gravidez?

Especialmente nos primeiros anos de vida do bebé, este vínculo é muito mais forte, pois é através dele que se cria uma ligação de amor e luz, que faz com que, ambos se comuniqem telepaticamente e intuitivamente. Além disso protegem-se através dele, mutuamente. No momento em que o bebé é concebido, esse vínculo é reforçado com a entrada do bebé no útero e partir desse momento a mãe protege o bebé com todo o seu amor. Mas na primeira etapa em que o bebé está no campo electromagnético da sua futura mãe, os papéis mudam, pois é a alma do bebé que protege a mãe para que a sua preparação e integração sejam realizadas da melhor maneira possível. É graças ao amor e complicidade de energias, que se criou com esse vínculo, que as energias de ambos se movem e se completam para se poderem adaptar a este novo processo e produzir mudanças a nível orgânico.

Desde o ponto de vista energético, o que dá origem as alterações no corpo físico da mulher? O que é a Kundaline?

A alma do bebé possui uma energia pura, pois ainda se encontra vinculada e ligada em toda a sua plenitude aos anjos e seres de luz extrafísicos, assim como ao universo. Isto faz com que a frequência energética da alma do bebé seja muito alta, muito mais elevada do que a da sua mãe, que pela sociedade, preocupações, stress do seu dia a dia, é muito mais densa.

Neste caso, é o bebé que possiu uma ligação e comunicação superior com os seres de luz e um padrão vibracional elevado. Á medida que os meses vão avançando,o bebé está mais próximo da sua mãe, para que no momento em que seja concebido, o organismo da mulher esteja preperado, assim, quanto mais próximo da figura materna, o bebé realiza um movimento muito especial, através do vínculo com a sua mãe, no componente energético dela.

Com esta proximidade os seres de luz do bebé também estão mais próximos da gestante e faz com que a intuição e a percepção extrasensorial da sua mãe aumente. Mesmo que ela esteja“adormecida” e antes de iniciar este processo não tivesse intenções, toda a luz que o seu filho e os seus seres de luz emanam, modificam e abrem a sua parte mais sensitiva.

Como consequências, os chacras, pontos energéticos do corpo da mãe modificam a sua estrutura e abrem-se como uma bela flor. Contudo este processo de abertura afecta o seu chacra coroa e o seu chacra terceiro olho. O primeiro porque vai gerar uma nova vida, logo o desgaste energético que o seu corpo realiza é maior, deste modo, o seu chacra coroa tem uma abertura superior e estando alinhado correctamente a recepção de energia será maior.

O segundo mencionado, o terceiro olho, faz com que a intuição seja recebida de forma mais nitida, nas futuras mães com uma sensibilidade mais desenvolvida, também apareçem percepções através dos sonhos em que se comunica com seres de luz.

Também a Kundaline, ou coluna energética do corpo da mãe sofre alterações. A Kundaline activa e energiza todos os chacras do seu organismo e em consequência os orgãos. Ela encontra-se paralela á coluna vertebral, sendo o nosso eixo central. Como está vinculada ao chacra coroa, a energia do bebé e o vinculo têm uma reacção energética favorável á futura gravidez. A Kundaline também é influênciada neste processo, recebendo assim, mais energia que será distribuida pelos diversos pontos do corpo da mulher, que lentamente sofreram modificações e alterações.

Como se iniciam as alterações osseas? Quais as suas causas?

Um dos primeiros pontos que o vinculo entre mãe e filho interfere, através da kundaline, é a estrutura ossea da mãe. Através do amor e interligação de energias que se criam no momento em que o bebé está no campo electromagnético da sua mãe, a energia da mulher sofre alterações, para que estas possam também ser manifestadas no seu corpo físico. Neste, a kundaline, será encarregue de distribuir essa “nova” energia, para que se proporcionem as mudanças oportunas. Uma das primeiras mudanças a que se submete o organismo feminino, é a nível osseo. Os ossos da anca, começam lentamente a modificar-se alargando-se, por outro lado as articulações sacro-ilíacas também iniciam um processo de aumento da lubrificação o que proporcionará á mãe mais mobilidade e flexibilidade da zona pélvica.

Esta energia também produz modificações nas articulações dos membros inferiores, as quais aumentam a sua consistência e dureza permitindo que posteriormente possam aguentar o peso do bebé e o aumento de peso da sua mãe, sem sofrer dores nos joelhos e tornozelos.

A estrutura ossea central do organismo é a coluna vertebral, que também altera pouco a pouco, assim como outros ossos, com a energia do vinculo entre mãe e filho. Além de proporcionar uma maior flexibilidade á coluna vertebral, esta energia reforça a estrutura de cada uma das vertebras e discos intervertebrais individualmente e no seu conjunto, criando-se assim, a base central do esqueleto com uma energia sólida e firme.

Por sua vez, nas vertebras da coluna vertebral, ocorre um alargamento osseo muito subtil de apenas alguns milimetros. Embora pareça insignificante, não é assim, visto que provoca um alargamento do canal medular, também conhecido como canal vertebral.

Ao sofrer alterações no sistema osseo, também se produzem adaptações no sistema muscular. Quais as adaptações e porque se produzem?

É claro que, quando existem modificações no sistema osseo da futura mama, os seus músculos, tendões, ligamentos, nervos, tecidos, etc, também têm que se readaptar. Neste caso, focamo-nos mais nas modificações das suas pernas, que ficam mais fortes a nível energético. Isto, dependendo de cada mulher, pode-se fazer sentir físicamente do seguinte modo: maior “dureza” muscular, mais resistência quando caminham ou realizam esforços físicos, ou simplesmente, alguns sintomas de cansaço nas pernas ou caimbras que, em alguns casos, ao longo do tempo vão diminuindo ou até mesmo desaparecer.

Este processo é realizado, novamente pela kundaline, que através do primeiro chacra, o chacra raiz, situado entre a vagina e o anús, assim como, através dos meridianos correspondentes, esta energia é enviada até ás pernas, para energéticamente dar inicio ao processo.

Da mesma forma que se sucede nos ossos, nos músculos, a nível de “medidas físicas”, têm alterações quase imperceptiveis, mas por outro lado, verificou-se que a parte energética dos músculos, ligamentos e tendões em questão, tinham alterações significativas.

Também se verificou que todas as mudanças energéticas, nestas estruturas, reforçavam a estrutura e a estabilidade físico-química, para o aumento de peso que posteriormente sofrerá com a gravidez, assim como o padrão de pensamento negativo ou o excessivo stress que se provoca em volta da situação, não tenha como consequências dores, rupturas ou fadiga muscular, que dificultem esta maravilhosa etapa da gravidez.

Já que os músculos e ossos da futura mamã, se encontram completamente desenvolvidos, estas alterações começam a ser realizadas na mãe, antecipadamente, de uma forma harmoniosa, para não criar dores, nem sentimentos negativos que a prejudiquem e, posteriormente, possam afectar o bebé.

Estas alterações também actuam a nível da medula ossea, mas de que forma?

Tendo em conta que a kundaline é a energia do nosso eixo central, continua sendo através dela que a medula ossea, física e energéticamente, se altera e se adapta. É na medula ossea da futura mãe que o sangue se produz, o que se revela ser de extrema importância, uma vez que, é nela que se encontra a memória celular, que numa das etapas da gravidez, será transmitida de mãe para filho.

A energia da Kundaline, canalizada através dos diversos chacras, realiza um trabalho profundo para fortalecer, energizar e recodificar, dentro do que seja possível e necessário, as células-mãe hematopoiéticas.

Para os leitores que não sabem, estas celulas têm a capacidade de se dividir assimétricamente para que se possam originar células iguais á célula mãe. Recebendo a energia da kundaline, estas conseguem conservar e guardar de forma correcta as propriedades necessárias, quanto mais saudaveis e perfeitas estejam, melhor se podem produzir este tipo de células mãe embrionárias, quando o bebé esteja a desenvolver-se no ventre materno, pois as células de onde se originam, gozam de um óptimo estado físico, psico-emocional e energético.

Outra das funcionalidades de kundaline é proporcionar a estabiliade emocional necessária para a mãe, para que elabore as quantidades de níveis apropriados de leucócitos, hematócitos e plaquetas, com o objectivo de que a mãe possa ter maior bem-estar físico e o desenvolvimento adquado do bebé. Também faz com que contenham a energia adquada para desempenhar as suas funções ao longo de todo o organismo.

Por outro lado, quando a futura mãe está deprimida, sofre uma crise de ansiedade, ataques de pânico, insónias ou transtornos deste género, consomem a energias destas células sanguineas. O que acontece com este processo, é que esse factor ou factores stressantes para a mãe, são armazenados na memória celular destas células e quando o bebé é concebido, como esta situação está implicita na mãe, afectará o bebé, que se desenvolve com base ou estrutura mais debilitada, devido ao estado emocional em que a mãe se encontra durante um periodo de tempo prolongado.

Das variáveis que todas as pessoas falam, inclusiver como sendo a que mais se manifesta, é a alteração hormonal que a mulher sofre. Mas esta começa no momento da concepção ou antes do bebé entrar no útero? Como afecta os seios?

Até agora fomos comprovando, como estruturas do corpo, que poucos sabiam ou pensavam que se modificavam durante a gravidez, incluindo antes desta, se fazem. O mesmo aconteçe com o sitema hormonal, com funções intimamente vinculadas ao sistema nervoso, que de igual modo, começa a ser modificado delicadamente, antes do bebé entrar no corpo da mãe.

A mulher possui um sistema hormonal muito complexo e com um funcionamento que é uma perfeita cadeia em que não falha nenhum elo, para exercer um trabalho exacto e preciso.

As hormonas são substâncias químicas produzidas pelo corpo que controlam inúmeras funções corporais, mas, todavia, aumentam na gravidez. As hormonas localizam-se em diferentes glandulas, que nesta etapa, a grande maioria aumenta de tamanho, mas não o fazem quando a mulher está gravida, mas sim quando faltam uns escassos dois ou trés meses, para o bebé entrar para o útero materno, este processo inicia-se graças á estimulação que a kundaline realiza sobre os diversos chacras que por sua vez estão ligados com as glandulas que levam a cabo estas funções hormonais, tais como, a pituitária, tiroides, suprarenais, etc.

Pouco a pouco vai-se criando uma rede energética que comunica com todas as glandulas que segregam estas hormonas, ao mesmo tempo que mantêm energizados os orgãos para que a produção seja equilíbrada. Apesar de muitos especialistas afirmarem que os seios começam a sofrer alterações muito cedo, uns dez dias aproximadamente depois de gerar esta nova vida, não se revela verdade. Pois os seios, são muito delicados e sensíveis, qualidades que, com as alterações hormonais acentuam-se muito mais.

Por isso, e para que não seja desagradável e doloroso para o corpo da mulher, eles começam a adaptar-se, meses antes do inicio da gravidez. O movimento a nível energético começa a originar-se: meridianos e nadis que se encontram na zona, lentamente, aumentam de tamanho, provocando um ligeiro aumento de volume nos seios, ao que muitas vezes as futuras mães dão o nome de “inchaço”, mas não é.

Este processo está sustentado pelo sistema hormonal e órgãos correspondentes , assim como pela kundaline, que através do chacra cardíaco ou chacra coração, realiza um trabalho minucioso. Consequência desta junção de factorese da prolactina segregada pela hipófise, os seios vão-se preparando energéticamente para a produção de leite nas glandulas mamárias.

Se durante todo o desenvolvimento do bebé a mãe não crie medos relativamente ao processo de amamentação ou á rejeição do leite por parte do bebé, assim como, nenhum trauma que afecte directamente os seios ou técnicas a utilizar, não existirá nenhuma anomalia, dor, congestão, inchaço, que afecte os seios. Sendo assim, o processo de amamentação passa a ser um momento formidável.

O útero é vital e essencial a todo este processo, modifica-se antes de o bebé estar dentro? Quais as variações que sofre?

Um dos papeis desempenhados pela kundaline, é reforçar o vínculo da futura mãe com a Mãe Terra, para que posteriormente, durante a gravidez, não acumule energias negativas nas pernas e assim, estas não inchem, para isso, os canais energéticos das pernas têm de estar abertos. Logo, quando as pernas incham durante a gravidez, não é somente pelo peso da barriga da mãe e a pressão que esta realiza sobre os pontos linfáticos das virilhas, mas também pelos seus medos de falhar como mãe.

Estes bloqueiam os canais energéticos que vinculam os meridianos com os chacras das plantas dos pés, através dos quais descarregamos as energias negativas, assim sendo, não se realiza.

Esta energia, vinda da kundaline, que sai do coccis até ao útero, cria uma malha electromagnética em volta do útero para posteriormente proteger e nutrir o próprio útero, a placenta e o bebé.

Algumas mulheres perguntam a si mesmas se realmente estão preparadas para serem mães ou se querem engravidar para satisfazer o desejo do seu companheiro, originando inseguranças na mãe, que posteriormente,fazem com que esta malha que se cria em volta do útero, fique muito mais fragilizada.

Daí não conseguir proteger nem nutrir de forma adequada o bebé. Pois com este padrão psico-emocional durante a pré-concepção, faz com que o útero não consiga ter condições para gerar uma vida no seu interior. Na maioria dos casos, é o motivo para as perdas sanguíneas ou abortos espontâneos, já que se ela emocionalmente não se sente preparada para entrar nesta nova etapa, o seu organismo também não se modifica para que seja assim, logo não devemos duvidar que os padrões psico-emocionais, pensamentos ou sentimentos, influênciem directamente o corpo.

No interior do útero, também se originam modificações energéticas meses antes, para que a nível físico o bebé possa ter o espaço necessário para se desenvolver. Esta energia propaga-se até ás trompas e ovários.

A nível energético, já há um ovário preparado para o processo de ovulação que se vai levar a cabo, este começa a sua preparação sete anos antes, o mesmo tempo que o bebé está com a sua mãe. Isto aconteçe porque, dependendo de, se o bebé é do sexo feminino ou masculino, a ovulação será produzida no ovário direito (masculino) ou no esquerdo (feminino), que é aquele que o bebé com a sua energia, desde o campo electromagnético da sua mãe, começa a alterar e a transformar energéticamente.

Como podem ver, queridos leitores, a gravidez trás toda uma preparação prévia a nível energético, que lentamente se vai manifestando no corpo da mulher. Esta é de uma extrema importância para que exista um equilíbrio e bem-estar, na mãe e no filho, durante os nove meses de gravidez.

Yolanda Castillo
http://centro-medicina-holistica.comunidades.net/
https://www.facebook.com/centrodemedicina.holistica.7

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ

CONCORDA OU DISCORDA? ESCREVA O SEU COMENTÁRIO

mais recente mais antigo mais votado
Notificação de
Maria Julieta Marques

Lamento ler agora este artigo, que considero de grande importância para as mulheres que querem ser mães, e lamento porquê? Porque nos meus 76 anos de idade, já passou o tempo de que ter filhos e quando fiquei grávida a primeira vez aos 17 anos nada me informaram, eu nada sabia, nem meu marido, ignorantes de tudo o que dizia respeito ao estado d egravidez. Hoje , com a net a ligar-nos ao mundo, podemos ser bem esclarecidos e o mundo pode assim melhorar, com mães mais esclarecidas e bébés chegando até nós com outras condições de acolhimneto no ventro… Ler mais »