Não há quem, pelo menos uma vez na vida não tenha tido um apelido ou não tem há sofrido com um apelido que ficou presente por toda a vida da pessoa. Algumas pessoas por vezes nem são conhecidas pelo nome de batismo, já que o apelido acaba se tornando mais famoso e importante que o próprio nome da pessoa. Alguns apelidos não passam do nome da pessoa pronunciado e escrito no diminutivo, como Fabinho, Mariazinha ou Joãozinho. Outros são apenas contrações do nome, como José virando Zé, Benedito que vira Benê ou Dito e  assim consecutivamente. Esses apelidos são carinhosos e até mesmo provém da própria família ou de amigos mais íntimos.

Alguns apelidos também remetem ao estado ou a cidade que a pessoa nasceu ou está. Geralmente os apelidos de nacionalidade são compostos pelo nome e o país de origem da pessoa. Ou ainda o apelido pode resultar do nome dos pais, como Fulano filho de e o nome de quem ele é filho, seja pai ou mãe; pode ser por casamento, como Fulano de tal pessoa com que ele ou ela é casado ou casada.

Há apelidos que são resultados da característica física das pessoas. É comum chamar alguém loiro de Alemão. As características físicas também ajudam a criar os apelidos, como chamar alguém muito magro de esqueleto ou alguém muito gordo de fofinho.

apelidos
Os apelidos podem surgir nas mais variadas formas, como diminutivo do nome, ou até mesmo a lembrar alguma características fisíca da pessoa.

Mas claro que nem todos os apelidos têm a origem mencionada ou algum fator relacionado a esses citados acima. Alguns não têm explicação lógica, muito menos combinam com o nome ou a personalidade das pessoas. Os apelidos não são uma moda recente.

Eles começaram a serem usados desde a antiguidade. Nesta época eles tinham o propósito de diferenciar ou até mesmo enaltecer as pessoas. Por isso mesmo que os imperadores eram apelidados de Alexandre, o Grande; Plínio, o Velho, e assim por diante. Eles marcaram a história e é por isso mesmo que um apelido marca a vida da pessoa.

Geralmente o apelido surge e acompanha a pessoa por toda a vida. Por isso mesmo não adianta lutar contra um apelido dado. Quanto mais uma pessoa não gostar e brigar com as outras por conta do apelido, mais esse apelido vai se fortalecer.

E geralmente as pessoas não gostam dos apelidos porque eles justamente mostram um defeito ou até mesmo uma característica que a pessoa não gosta. Mas tem-se que entender que nem todo apelido é depreciativo. Muitos, apesar de parecerem ofensivos, na verdade são carinhosos.

O único cuidado que se deve ter é com os apelidos que os namorados se dão. Já que os apelidos entre eles podem ser no mínimo constrangedores ao público e os amigos em geral. É de bom senso que os namorados guardem só para si os apelidos que se dão para não criar atrito ou mau estar entre ambos.

O lugar no qual uma pessoa mais recebe apelidos é na escola. Por vezes eles são divertidos, mas há aqueles casos em que causam constrangimento para a criança. Geralmente os apelidos aparecem com novatos, principalmente aqueles que vêm de outras cidades.

Mas, nem todos os apelidos são ruins. Tem pessoas que até gostam de ter apelidos e de serem chamados por ele. É uma forma de diferenciação, já que os nomes são comuns e se repetem ao longo do tempo nas sociedades. Os apelidos servem para diferenciar, para trazer uma identidade original as pessoas. Por isso mesmo eles sempre buscam pegar uma característica peculiar da pessoa.

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ