Hoje vamos abordar um tema que tem sido muito comentado ultimamente: Bullying. Antes de mais é importante lembrar de que o Bullying sempre existiu, antigamente crianças e adolescentes já tinham o hábito de amedrontar ou agredir os coleguinhas de escola tidos como diferentes, tímidos, indefesos,  ou que tivesse alguma característica física diferente. Apelidos, xingamentos,  agressões, gozações, maldades,  brincadeiras de mau gosto sempre existiram. Eu própria sofri Bullying no ano de 1977 numa escola do bairro do Ipiranga em São Paulo e com o incentivo da professora; mas o que poderia ser feito há 33 anos, nada! Todos ficaram impunes.

Com certeza antigamente era em  menor dimensão do que ocorre hoje em dia,  mas o Bullying sempre existiu, só que não tinha este nome. Bullying é um termo inglês utilizado para descrever atos de violência física ou psicológica, intencionais e repetidos, praticados por um indivíduo ou grupo de indivíduos com o objetivo de intimidar ou agredir outro indivíduo incapaz de se defender.

Como eu sempre digo a educação começa em casa, a escola tem meramente o papel de transmitir conhecimentos culturais e não regras morais. Noções de boa conduta, respeito ao próximo, educação, generosidade se aprende dentro do lar. Cabe aos pais conversar com os seus filhos e transmitir-lhes o que é certo e o que é errado. Lembrando sempre que o exemplo começa pelos pais, pois a criança tende a imitar o pai e a mãe, já que normalmente são eles os  os pais,  os ‘heróis’ dos seus filhos.

Muitas teses e pesquisas vem sendo desenvolvidas acerca do tem a Bullying. Um dos estudos realizados pela Universidade George Mason, em Washington D.C. associa o comportamento dos praticantes de bullying ao dos adultos diagnosticados com fobia social.

Resumidamente o comportamento de uma criança que pratica Bullying é comparado com a fobia social da seguinte forma: ‘Pessoas com fobia social atacam e rejeitam os outros antes que eles tenham a chance de fazer o mesmo com eles.’

Outro estudo feito na Escócia com 481 estudantes entre 9 e 12 anos, demonstra que o medo de ser rejeitado pelo grupo é um dos motivadores para o Bullying. Eu tenho outra opinião acerca do Bullying, eu acho que adolescentes que praticam este ato de agressão contra um colega ou contra qualquer pessoa,  é fruto da péssima educação que teve em casa; uma educação sem limites, sem regras, sem diálogo com os pais, e sem noções de morais.

Dan Olweus cientista sueco define bullying como:

1. o comportamento é agressivo e negativo;
2. o comportamento é executado repetidamente;
3. o comportamento ocorre num relacionamento onde há um desequilíbrio de poder entre as partes envolvidas.

O bullying divide-se em duas categorias:

1. bullying direto;
2. bullying indireto, também conhecido como agressão social

O bullying direto é a forma mais comum entre os agressores (bullies) masculinos. A agressão social ou bullying indireto é a forma mais comum em bullies  do sexo feminino e crianças pequenas, e é caracterizada por forçar a vítima ao isolamento social.

Técnica de Bullying:

* espalhar comentários;
* recusa em se socializar com a vítima
* intimidar outras pessoas que desejam se socializar com a vítima
* criticar o modo de vestir ou outros aspectos socialmente significativos (incluindo a etnia da vítima, religião, incapacidades etc).

Características da personalidade dos bullies:

– Adolescentes agressores têm personalidades autoritárias, combinadas com uma forte necessidade de controlar ou dominar;
– Preocupação excessiva com a auto-imagem;
– Rapidez em se enraivecer;
– Empenho excessivo em acções obsessivas e/ou rígidas;
– Extremamente auto-confiantes;
– Geralmente são filhos excessivamente mimados;
– Crianças que têm dificuldade em ouvir não dos pais ou de estranhos;

Tipos de bullying

Os bullies usam uma combinação de intimidação e humilhação para atormentar os outros. Abaixo, temos alguns exemplos de bullying:

– Ataques físicos repetidos contra uma pessoa, seja contra o corpo dela ou propriedade;
– Insultar a vítima; acusar sistematicamente a vítima de não servir para nada;
– Depreciar a vítima sem qualquer motivo;
– Espalhar rumores negativos sobre a vítima;
– Fazer com que a vítima faça o que ela não quer, ameaçando a vítima para seguir as ordens;
– Fazer comentários depreciativos sobre a família de uma pessoa (particularmente a mãe), sobre o local de moradia de alguém, aparência pessoal, orientação sexual, religião, etnia, nível de renda, nacionalidade ou qualquer outra inferioridade depreendida da qual o bully tenha tomado ciência;
– Isolamento social da vítima;
– Expressões ameaçadoras;
– Fazer que a vitima passe vergonha na frente de varias pessoas;
– Usar de sarcasmo evidente para se passar por amigo (para alguém de fora) enquanto assegura o controle e a posição em relação à vítima;
– Usar as tecnologias de informação para praticar o cyberbullying (criar páginas falsas sobre a vítima em sites de relacionamento, de publicação de fotos etc);

Locais de bullying

O bullying pode acontecer em qualquer contexto no qual seres humanos interajam, tais como escolas, universidades, famílias, entre vizinhos e em locais de trabalho.

Em escolas, o bullying geralmente ocorre em áreas com supervisão adulta mínima ou inexistente. Ele pode acontecer em praticamente qualquer parte, dentro ou fora do prédio da escola.

Alcunhas ou apelidos (dar nomes):

– Normalmente, uma alcunha é dada a alguém por um amigo, devido a uma característica única dele. Geralmente os apelidos surgem por causa de de alguma parte do corpo que seja evidente na outra criança, uma orelha grande, um defeito fisico. E por mais absurdo que pareça alguns professores ajudam a disseminar o a alcunha pejorativa.

Na Mídia:

Serginho Groisman apresentador do programa ‘Altas Horas’ da Rede Globo lançou uma campanha para combater a prática do bullying e tem conversado no Altas Horas com pessoas que foram vítimas desta violência.  Serginho Groisman também criou há alguns anos um cartaz especialmente para que as escolas espalhem pelas salas de aulas e outros ambientes escolares com o objectivo de combater o Bullying e evitar que mais crianças e adolescentes sejam vítimas dessa violência.

Cartaz da campanha contra o Bulliyng

Imagem: Este material foi produzido pela Globo Comunicação e Participações S/A para fins de divulgação da Campanha “Altas Horas contra o Bullying”, sendo vedada a sua utilização para fins comerciais e políticos, sua edição, alteração, ou sobreposição imagens.

Fonte: Site Terra / Site Globo / Wikipédia /

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ

CONCORDA OU DISCORDA? ESCREVA O SEU COMENTÁRIO

21
Deixe um comentário

17 Comentários da discussão
4 Respostas aos comentários
0 Seguidores
 
Comentário mais ativo
Discussão mais ativa
19 Comentários dos autores
  Subscrever  
mais recente mais antigo mais votado
Notificação de
lorena

pois bullying não e brincadeira pois pode trazer traumas a pessoa que sofre bullying

lorena

e verdade

mary sarges

muitoo bom esse material ..
gostei do que lir !
ajudou muito meu trabalho ..!

Allice dicman Castro

esse bullying acontece mt na minha escola os meninos da minha classe ficam chamando minha colega de gorda e de chocolete queimado não gosot de ouvir isso e eu acho que não importa o visual desta pessoa o que importa é ela ter um bom coração
E nunca podemos esquecer que bullying é crime,tambem que ofende o coração desta pessoa que vc xingou

srephanie rafaela

oiiiiiiiiiiiii lá na escola onde estudo em pernambuco recife em dois unidos escola professor jose dos anjos esse ano na feira de conhecimento dia 30 de setembro o assunto vai ser sobre o bulling e eu acho que vai ser bom pra quem comete esse absurdo!!!!

william

gostei bastante do seu site , ele aborta fatos que estão acontecendo em elevados indices absurdos na sociedade. muito bom, parabens!!