O Folclore Brasileiro é muito rico, as histórias populares brasileiras são inúmeras e diversas. Elas compõem o folclore, que nada mais é do que um conjunto de lendas que passam de geração para geração e assim permanecem vivas até os dias atuais. O folclore na verdade nasceu do imaginário popular, principalmente da imaginação dos que moravam no interior do Brasil. Essas histórias foram criadas para passar importantes mensagens ou apenas para assustar os moradores e as crianças. Muitas dessas lendas e mitos acabaram originando festas populares que acontecem no país inteiro.

Como o interior do Brasil é grande, várias lendas e mitos surgiram ao decorrer dos anos.

Vejamos algumas abaixo:

– Uma das lendas é a do Boitatá, que é representada por uma cobra de fogo que tem a função de proteger as matas e os animais, ou seja, diz a lenda que ele perseguia e matava quem desrespeitasse a natureza. Dizem que o mito do Boitatá tem origem indígena.

A lenda do Boto surgiu na região da Amazônia. Contam que um homem jovem, bonito e charmoso encantava todas as mulheres dos bailes e festas; após conquistá-las ele as levava para a beira do rio e as engravidava; só que antes da noite terminar, ele mergulhava nas águas e se transformava em boto.

O Curupira nasceu quase que da mesma forma que o Boitatá, protegendo as matas e os animais silvestres. Ele é representado por um anão de cabelos longos e pés virados para trás. Ele persegue e mata quem destrói a natureza. É por esse motivo que quando alguém desaparece nas matas, os moradores locais dizem que foi obra do Curupira.

O Lobisomem é bem conhecido de várias regiões do mundo. Diz a lenda que o lobisomem é um homem que foi atacado por um lobo em uma noite de lua cheia e conseguiu sobreviver, mas apesar disso, ele desenvolveu a capacidade de virar lobo toda a vez que a lua cheia aparece. É nestas noites que o lobisomem ataca todos que aparecem na sua frente e só pode ser morto com um tiro de bala de prata no coração.

– Já a popular Mula-sem-Cabeça é retratada por uma mulher que teve um romance com um padre. Como castigo por esse amor proibido, todas as noites de quinta-feira para sexta-feira ela se transforma em um animal quadrúpede que galopa e salta sem parar enquanto solta fogo pelas narinas apesar de não ter cabeça..

O saci-pererê é um menino negro que tem apenas uma das pernas; ele fica andando com um cachimbo e um gorro vermelho que lhe dão poderes mágicos. Ele vive aprontando travessuras e se diverte espantando cavalos, queimando a comida e acordando as pessoas com as suas gargalhadas.

Estas e muitas outras lendas fazem parte do imaginário brasileiro e é importante que as crianças sejam esclarecidas quanto a veracidade destas histórias, para que não desenvolvam um medo infundado acerca do que não é real. Assim evitamos cair na velha história do Bicho Papão. 😉

Post Relacionado: Sem Medo do Bicho Papão

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ