Entrada de uma nova consciência no ventre materno

Hoje o Bigmãe traz para vocês mais um artigo exclusivo escrito por Yolanda Castillo, Terapeuta Holística, do Centro de Medicina Holística, que  aborda o tema “Entrada de uma nova consciência no ventre materno“; que descreve o momento da ovulação.

Este é o primeiro artigo de uma série de três, os próximos artigos tratarão dos temas: período embrionário e o período fetal.

Por enquanto vamos desfrutar destas preciosas informações sobre como e o que ocorre no momento em que o óvulo é fecundado no seu ventre.nova-consciencia-no-ventre-materno-nova-vida

Entrada de uma nova consciência no ventre materno

No desenvolvimento do ser humano, os seus pais têm uma função indispensável, essencial e maravilhosa, que começa anos antes do óvulo ser fecundado. A maioria das vezes, seus pais não têm noção dele, mas seu filho já os acompanha de forma especial.

O casal sente esta viagem concretizada no momento em que o óvulo é fecundado, prolongando-se por inumeráveis anos, nos quais terão que acompanhar o seu filho nas diferentes facetas da sua vida, desde a gravidez até à idade adulta.

Os pais são fundamentais em todo este processo de seu filho, uma vez que eles são as “peças” ativas que dão forma à vida do seu filho. Pilares iniciais e fundamentais que este novo ser necessita para criar uma base sólida para a sua vida. Desde os seus genes, o ADN, o seu amor, conhecimento, personalidade, apoio, implicação, etc., tudo se manifesta em perfeita ordem e constrói a base da estrutura física, emocional, mental, psicológica e espiritual deste novo ser.

Em artigos anteriores, mencionamos que o futuro filho já acompanha a sua mãe 7 anos antes de nascer, estando presente no campo energético dela até ser o momento adequado, no qual o bebé sabe que é o instante de vir a este plano, produzindo-se ao fim de algum tempo maior ou menor, a ovulação, que posteriormente terá como resultado o seu nascimento.

Cientificamente, conhecemos o procedimento da ovulação, mas? O que acontece neste processo, de forma energética e espiritual?

Cada ejaculação contem aproximadamente 400 milhões de espermatozoides, dos quais milhares deles conseguem chegar à membrana exterior do óvulo.

Mas quando chega o momento desse ser vir ao plano físico, a energia do homem e da mulher estão em perfeita sintonia, apesar de que de forma consciente não tenham noção que a paternidade chegou às suas portas, mas as suas almas sim, sabem-no; então produz-se a ovulação, porque um desses milhares de espermatozóides, nesta intensa correria pela vida, consegue penetrar até ao núcleo do óvulo, fundindo-se ambos os núcleos de maneira a concretizar a ovulação, o início de uma nova vida. Essa pequena célula surge da fusão dos núcleos, concretizando-se uma nova “célula” ou a semente de uma nova vida.

Este processo demora aproximadamente umas 24h em consolidar-se, tempo no qual a energia se unifica com a matéria. Por isso, é durante estas horas de coesão, que os anjos e seres de luz pertinentes neste processo, ajudam a que a chama trina do novo ser se cristalize e consolide; ou seja, a entrada da essência no corpo materno.

Quando a essência do bebé passa do campo energético ao corpo da sua mãe, todas as suas memórias passadas, aprendizagens e conhecimentos, são transferidos nessa energia para posteriormente, quando o subconsciente do bebé se comece a formar, sejam armazenados nele.

Nesta vivência, os guias que acompanham a mãe e o bebé encarregam-se de acelerar o processo físico de transmissão das diversas heranças que o óvulo e o espermatozoide possuem, a essa nova matéria e também à energia que lhe dá vida.

É precisamente por esta carga hereditária, que é recomendável que as grávidas façam terapia, porque deste modo conseguem que o bebé nasça com a herança emocional própria que traz do Universo e não a adquira através da fecundação nem do desenvolvimento posterior.

Assim, se a consciência do novo ser entra no corpo da mulher 24h após a fecundação, o bebé ainda que sendo uma consciência diminuta acabada de entrar no corpo materno, tem noção daquilo que sucede?

Claro que sim, independentemente do que alguns médicos, obstetras ou outros especialistas digam, que só passado o período embrionário é que o bebé começa a percepcionar as coisas, existem estudos que comprovam que isso não é assim. Desde o momento em que a consciência entra no ventre materno, tem noção de absolutamente tudo o que acontece à sua volta, sua energia, sua alma, sentem como se sentem os seus pais, se existem medos, amor, ilusão, inseguranças, se são aceites pelos outros membros da família. Eles sentem tudo de uma forma mais subtil e intensa.

As emoções, pensamentos, sentimentos e energias de seus pais, mas sobretudo da sua mãe, com a que têm um vínculo energético e físico maior, são um alimento fundamental para eles. Também são determinantes para que uma gravidez surja sem problemas e tranquilamente ou com constantes problemas.

Se a mãe sofre de stress, inseguranças, crises entre o casal, etc., é com isso que o bebé se forma e desenvolve, desde um primeiro momento, por isso é tão importante o cuidado emocional desde o primeiro momento. Sentir amor, paz, alegria e tranquilidade, são alimentos para um crescimento psico-emocional e energético seguro, forte e firme. Enquanto que os sentimentos negativos desde o momento inicial, criam muita instabilidade em todo este processo.

O que acontece depois da fecundação do óvulo e nas primeiras 24h posteriores?

É nestes primeiros instantes onde tem início a vida, que se inicia uma atividade diminuta, na qual, a partir dessa primeira célula, surge a multiplicação das células. À massa que nasce da união mencionada anteriormente chama-se ovo, porque é uma única célula formada por energia e material genético de seus pais.

A primeira multiplicação acontece mediante o processo de entrada da consciência, uma vez que está comprovado cientificamente que é aproximadamente entre as 28 e 32 horas que surge a primeira multiplicação, dinamizada e acelerada pela energia de ambos. Aos três dias tem umas 16 células, microscopicamente consegue apreciar-se esta agregação de células que tem aspeto de uma amora, por isso se lhe chama mórula. Quando toda esta revolução está surgindo no corpo da mãe, ela de forma consciente não sabe ainda da sua gravidez, pelo que para a essência do bebé é muito mais fácil adaptar-se a estas novas circunstâncias.

Porque é mais simples?

Os seus futuros pais geram pensamentos, sentimentos, emoções e energias negativas no seu dia-a-dia, do mesmo modo que fazem todos os seres humanos, que obviamente já lhes afetam, mas não os geram face ao bebé ou ao processo de gravidez, porque não são conscientes dele. Por isso, apesar desses sentimentos passarem a formar parte da herança psico-emocional do bebé, não lhe criam instabilidade no processo da sua formação física inicial.

Esta fase de multiplicação acontece na trompa, demorando quatro dias a percorrê-la e já com 32 células da entrada no útero materno, dando lugar à fase em que os obstetras chamam de formação do embrião. Este percurso que realiza através da trompa até ao útero é, a todo o momento, acompanhado pelo anjo guia da mulher. Toda a energia gerada nesta primeira etapa muito especial.

O que acontece quando a mórula entra no útero materno?

É o início de uma nova fase, a chama trina do bebé está mais consolidada porque já passaram alguns dias, e é a sua própria energia que ajuda no desenvolvimento e implantação de cada uma das células que se multiplicam. Uma vez que a mórula entra no útero, esta aceleração de multiplicação de células, continua, mas de um modo diferente.

Normalmente, ao quinto ou sexto dia já se deu a implantação do blastocisto (que é assim que passa a chamar-se a mórula) no útero, e é assim que as células começam a agrupar-se de um modo diferente: de forma mais ordenada e coerente, porque é a partir desta nova disposição que se forma a cavidade amniótica, o embrião e também são estas células que darão início ao que conheceremos posteriormente como placenta. A placenta tem um processo de desenvolvimento lento, similar ao do bebé.

O que ocorre no processo de implementação do blastocisto? Quando podemos considerar que esta fase é mais estável?

Nesta fase, a mãe, sem saber porquê, está mais cansada, já que energeticamente é um processo desgastante, o seu corpo já começa a sofrer modificações. Em todo o processo de “aceleração”, tudo vai mais rápido, pelo que requer mais energia.

Quando o blastocisto se implanta no útero, existem mecanismos que fazem com que surjam alterações no endométrico, através das células do blastocisto e de todo o processo orgânico que se desencadeia na mulher, já que tem que estar preparado não só para a formação do embrião.

É nas quatro primeiras semanas de vida no útero materno, que o blastocisto se implanta com mais força, agarrando-se e unindo-se à parede uterina. É por isso que algumas dessas células, junto com a energia materna, se organizam, formando a união entre o blastocisto e o útero. É neste momento onde se consolida com uma energia mais compacta, o vínculo energético entre mãe e filho.

Algumas mulheres que aplicavam ou auto aplicavam terapias energéticas ou outras terapias alternativas, já antes de engravidarem, desenvolvem uma sensibilidade diferente, e nalguns casos às 5-6 semanas, têm perceção de que um novo processo intrauterino, e inclusive antes de fazer um teste de gravidez, têm noção que estão esperando um filho, porque conseguem percecionar com mais intensidade esse vínculo.

Nesta etapa, o blastocisto já está mais seguro e estável no útero. Estas células que compõem o blastocisto, iram-se modificando e organizando em diferentes capas, para iniciar o processo de formação dos sistemas e órgãos que irão constituir o corpo do bebé. Deste modo começa a viagem para o período embrionário.

Yolanda Castillo Martíns

http://www.centro-medicina-holistica.comunidades.net/

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ

CONCORDA OU DISCORDA? ESCREVA O SEU COMENTÁRIO