Keila Cristiuma, diretora da Sempre Materna, traz para todas as mamães dicas preciosas sobre a amamentação. Toda mamãe tem muitas dúvidas. Entre elas, a amamentação adequada, desde o colostro. Será que meu leite é suficiente? Existe leite fraco? Por saber a importância da amamentação e o quanto as mamães têm dúvidas, Keila Cristiuma conversou com a ginecologista e obstetra Arícia Giribela e nos revela que não há segredo: quanto mais o bebê sugar, mais leite a mamãe produz.

Veja abaixo as dicas e anime-se, amamentar não é tão difícil como parece! 😉

Processo de lactação

Comandado pela glândula chamada hipófise, localizada no cérebro, o processo de lactação ocorre quando o seio materno é sugado. A mensagem da sucção é enviada para a hipófise e há a liberação de dois hormônios: prolactina – responsável pela produção do leite – e ocitocina – responsável pela ejeção do leite.

“Logo após o parto, a prolactina começa a estimular as glândulas mamárias, por isso é importante colocar o recém-nascido para mamar o quanto antes, pois é ele quem desencadeia o processo de produção e descida do leite”, diz a obstetra.

O que é colostro?

Produzido desde o final da gravidez e provavelmente durante todo o primeiro mês de vida do pequeno, o colostro é um leite especial. Entre o momento do parto e a apojadura (descida do leite), os seios ficam preenchidos por essa substância. Amarelo e mais grosso que o leite maduro, é secretado apenas em pequenas quantidades. Rico em sais minerais, anticorpos, açúcares e água, contêm mais anticorpos do que o leite maduro, por isso, é essencial para o recém-nascido.

É a primeira “imunização” para protegê-lo contra vírus e bactérias após o nascimento. “O colostro é também rico em fatores de crescimento, que estimula o intestino imaturo do RN a se desenvolver”, explica a médica. O fator de crescimento prepara o intestino para digerir e absorver o leite maduro e impede a absorção de proteínas não-digeríveis. O colostro também é laxativo e auxilia a eliminação do mecônio (primeiras fezes), o que diminui a incidência de icterícia.

Passado esse período, inicia a apojadura onde as mamas aumentam, ficam mais pesadas e quentes. A mulher pode sentir ingurgitamento, dor mamária e calafrios. À medida que o recém-nascido começa a mamar, ocorre uma adequação da produção em relação à quantidade, ou seja, a mamãe passa a produzir a quantidade ideal de leite que o bebê ingere e esse processo diminui os desconfortos do início. No final do primeiro mês o leite materno já é considerado maduro.

“A amamentação é um aprendizado construído diariamente. Ultrapassadas as dificuldades iniciais torna-se fonte de grande satisfação para a mamãe e o filho”, completa Arícia. O essencial é não desanimar caso tenha um começo tumultuado. É normal, fora rara exceções, sentir um pouco de dificuldade no início da amamentação.

É fato, amamentar requer paciência e muita dedicação. Porém, não é necessário sentir dores e ter machucadinhos para que seja bem sucedida. A fim de evitar inflamações na região e orientar as mamães durante a fase de amamentação, a Sempre Materna conversou com a neonatologista do Hospital e Maternidade Brasil, Julia Kimori, sobre os principais cuidados.

Rachaduras
De acordo com a neonatologista, as fissuras e inflamações nos seios aparecem com maior frequência quando ocorre pega inadequada, ou seja, a boquinha do recém-nascido envolve somente o bico do peito. “O bebê deve estar bem acomodado, com a cabeça bem alocada na curva do cotovelo da mamãe, de forma que a boquinha envolva toda aréola. Dessa forma, tem condições de sugar o leite com facilidade, deixando- as livres de lesões”, explica Julia.

Sutiã
O ideal é utilizar os modelos confortáveis, de algodão, pois permite a pele respirar. Opte sempre pelas peças com alças mais largas, elas são essenciais para a boa sustentação dos seios. Há no mercado modelos pensados para essa fase da mulher, eles facilitam o momento e auxiliam no conforto.

Hidratação
Segundo Julia Kimori, a hidratação e limpeza da região devem ser feita com o próprio leite materno, após as mamadas. “Existem produtos à base de lanolina que hidratam e ajudam a evitar rachaduras, mas devem ser usados somente sob prescrição médica”, alerta a neonatologista.

Confira outros cuidados e dicas da especialista:

– Não utilize sabão, álcool e/ou outras substâncias para a limpeza do peito;

– A exposição ao sol ameniza a sensibilidade da região e ajuda a hidratá-los;

– Compressas frias protegem contra o empedramento do leite;

– Ingerir líquidos hidrata o corpo em geral.

Sobre a Sempre Materna
Há dez anos no mercado, a Sempre Materna se tornou grife confiável de cursos para gestantes, mamães, bebês, cuidadores e vovós.
Fonte: Andrea Feliconio

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ

CONCORDA OU DISCORDA? ESCREVA O SEU COMENTÁRIO