Sua filha adolescente já começa a suspirar pelos garotos, passa horas se arrumando e já tem até um paquera – ou namorado. Como conversar sobre virgindade com a sua filha? Chegou a hora de você ter aquela conversa com ela sobre virgindade, sexo e relacionamento. Esse é um papo que pode ser difícil às vezes, mas não se esqueça de que ele é fundamental para ela e para você.

Uma pesquisa realizada mostrou que os jovens preferem primeiro buscar informações com a mãe para depois ir falar com amigos ou buscar informações na mídia. Então já deu para perceber o papel fundamental e de confiança que você tem nesta hora.

Saiba que essa conversa não dura apenas uma noite. Como seus filhos irão se comportar na vida sexual deles é aprendida durante toda a vida deles com você. Como hoje a mídia e o mundo estão muito erotizados, a cada dia que passa é importante você explicar para ela o que acontece no mundo; o que é certo e o que é errado nessa hora.

Mesmo que você perceba que a sua filha fica tímida com o assunto e não a procura para a conversa, é importante você demonstrar que se importa e que quer falar com ela sobre isso. Aos poucos ela vai se soltando e mostrando interesse e assim começam as perguntas.

Você não quer que sua filha trate do assunto com irresponsabilidade, nem que tome decisões erradas ou faça algo que não está preparada. É sempre bom que você deixe claro que as coisas acontecem naturalmente na vida das pessoas, e que a pressa não ajuda em nada, muito menos ligar para as pressões dos amigos. Cada um tem o seu tempo que precisa ser respeitado. Deixe-a saber que ela não precisa ser igual a todo mundo e que a decisão de iniciar a vida sexual deve ser dela e não dos outros.

É claro que você não precisa somente colocar “medo” nela, pode muito bem falar da parte benéfica do sexo, como o prazer, que ela não precisa sempre agradar alguém em uma relação; é preciso ter cumplicidade nesta hora.

O início da vida sexual da sua filha vai depender totalmente da forma como ela foi criada. A responsabilidade e informações que você passará nesta hora é que irão contar para a vida dela. Converse bastante e sempre coloque os pontos negativos e positivos.

Assim ela que vai decidir sozinha o melhor momento para ter a primeira relação. A pressa ou a falta de informação podem ser inimigos e deixar alguns traumas nela. Por isso, pense bem e seja companheira da sua filha nesta hora.

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ