Na semana passada li duas matérias interessantes sobre educação que me fizeram pensar bastante e comparar a matéria com as cenas entre pais e filhos (e filhas) que tenho assistido diariamente.

Raríssimas vezes eu expus aqui no blog minha opinião pessoal acerca de um assunto, mas sinceramente este assunto é algo que me choca profundamente.

Uma das matérias tinha o título «Violência silenciosa: as agressões de filhos contra pais» a outra tinha o título «Faculdade faz reunião de pais contra geração mimada».

A primeira matéria refere-se a uma faculdade que decidiu promover periódicamente reuniões com os pais dos alunos para tentar comunicar com os pais sobre o que se passa com os filhos dentro da faculdade. Um dos diretores da faculdade disse que já teve mãe a reclamar que o filho foi reprovado no MBA. Além disso muitos alunos reclamam em casa com os pais quando tiram nota baixa e os pais vão na faculdade tomar satisfações.filhos-agridem-os-pais

Já a segunda matéria refere-se a filhos e filhas tiranos que abusam verbal, emocional, econômica e fisicamente dos pais ou tutores para assumir o controle da relação e dominar a casa segundo o que lhes convém.  Muitas famílias convivem com um problema grave de violência: a agressão de filhos contra seus próprios pais. Porém poucas tem coragem de os denunciar as autoridades competentes.

Se você está aí pensando que isso acontece em famílias de baixa renda e em famílias desestruturadas, está totalmente enganada. Os casos acontecem em famílias de classe média alta, onde os filhos tem tudo do bom e do melhor, e ainda exigem sempre mais e mais. Este fato tem ocorrido na Europa e pasmem, em muito maior frequência no Brasil.

Segundo a matéria da UOL, no Brasil, em 2012, foram 4.289 casos registrados de violência de filhos contra pais. Em 2013, 5.559 e, em 2014, 4.454. Um total de 14.302 agressões de filhos contra progenitores em apenas três anos. E o tipo de violência preponderante, segundo esses dados, é a física.

A Europa realizou, em 2013, o primeiro estudo sobre o problema, o relatório “Abuso Oculto dos Filhos Contra os Pais”, elaborado pela Universidade de Brighton e também constatou que o ápice refere-se a violência física contra os pais, ou seja,filhos de classe média alta espancam seus pais.

Agora imaginem só uma coisa. Se os filhos fazem isso com os pais, que provavelmente  devem estar na faixa dos 35 ou 45 anos, imaginem o que este filhos não vão fazer quando os pais estiverem idosos e precisarem deles.

Mas o que é isso minha gente? Em que mundos vivemos? Em que tempos vivemos onde os filhos comandam a casa e determinam o que querem fazer e os pais abaixam a cabecinha feito carneirinhos? Como é possível uma mãe ter medo da filha adolescente? Isso não faz sentido nenhum, isso é um grande absurdo.

Quando eu era pequena se eu ousasse respirar mais alto, ficava de castigo um mês, que dirá se eu ousasse falar mais alto ou enfrentar a minha mãe.

Na minha opinião, a liberalidade atual,  talvez deva-se ao fato das gerações nascidas nos anos 1960/1970 ter se sentido reprimida (coitadinhos) e depois quando foram pais, decidiram liberar geral, tudo pode, tudo é lindo, tudo é sinal de personalidade, é moderno, é ser emancipado, é ser liberal. O filho tem o direito de, a filha tem o direito de…., o filho pode, a filha pode……E logo vem acompanhada a frase final: Aiiiiiiiii mas eu quero que minha filhota seja feliz, é só isso que me importa. Ela estando feliz, eu estou bem.

Sim, sei, ora então não reclame. Não reclame e ature você as maluqueiras da tua filha. Não queira que o mundo suporte e ature as birras de uma rebelde sem causa, só porque a mamãe deu tudo e ela acha que o mundo inteiro tem que se curvar aos seus pés. E olhe que não me refiro a filhos (e filhas únicas), conheço muita gente que não é filho único e que é bem prepotente!

Se vocês acham lindo, não minha gente isso não é lindo, isso não é sinal de modernidade, isso é sinal de que você falhou redondamente na educação, isso é sinal de que você não soube dizer não; você não soube impor limites e hoje colhe apenas o fruto da tua omissão como mãe!

E qto aos deveres? Ninguém lembrou disso?

O filho e a filha não tem o dever de respeitar os pais e de “cumprir” as regras estabelecidas dentro de casa? Quem paga a comida? Quem paga a escola? Quem paga as roupas? Quem dita as regras?

Recebo diariamente emails de mães a se queixarem que não conseguem mais controlar a filha ou o filho adolescente. O filho ( a filha) tem na faixa dos 12 aos 18 anos e é rebelde, não estuda, quer bater na mãe, agride com palavras, quebra coisas em casa, bate portas, xinga todo mundo, falta a escola, não dá satisfações, vive aos gritos, ofende todo mundo, exige telemóvel, exige o melhor notebook, o tablet de última geração, roupas de marca, dinheiro para “baladinha” com os amigos….etc…etc….etc….

Sinceramente, eu num caso assim, cortaria todo tipo de “mordomia” que o filho ou a filha tivesse. Cortava tudo que fosse possível, e se conseguisse ainda lhe arranjava um emprego para ele (ou ela) sair ganhar o pão nosso de cada dia e ver o que é bom para tosse o mundo fora de casa, e fora das asas da mãe e do pai. Se não aprende pelo amor, aprende pela dor. Se sair para ganhar o pão nosso de cada dia, se sofrer, se for humilhado na rua para manter seu emprego, se souber o quanto custa ganhar, sem dúvida que vai dar mais valor ao que tinha em casa e quem sabe assim aprende a ser gente.

Que me desculpem os mais sensíveis, mas ando farta de ler notícias e emails de mães desesperadas porque não sabem como agir com o rebento, com a filhota adolescente e voluntariosa que ela própria criou e não impôs limites desde a mais tenra infância.

O pepino se torce de pequeno. Depois que estiver  grande não adianta querer impor regras, e ensinar a ser o que não ensinou quando o filho ou a filha era pequena. Nestes casos o conselho que eu sempre dou é: Procure um psicólogo. Talvez ele consiga te orientar em como proceder e deixar de ser refem da sua própria cria.

Ninguém aqui é favor da educação dada no início do século XX, mas também sejamos racionais, ser omissa e permissiva como são muitas mães (e pais) nos dias de hoje é no mínimo vergonhoso. Hoje em dia, a criança em sua mais tenra idade, com seus dois anos e pouco manda na casa toda, não quer dormir na hora certa, não quer comer, faz birra, domina os pais, faz chantagem através do choro, e tudo bem, numa boa….

Não dá né? Assim fica difícil. Vamos aprender a educar? Vamos tomar uma atitude? Faça agora para não se arrepender amanhã. 😉

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ

CONCORDA OU DISCORDA? ESCREVA O SEU COMENTÁRIO

Deixe um comentário

  Subscrever  
Notificação de