Bigmãe
métodos contraceptivos naturais

6 métodos contraceptivos naturais

Você conhece ou já ouvir falar nos métodos contraceptivos naturais? Algumas mulheres optam por utilizá-los por diversos motivos: problemas de saúde; por não se adaptarem aos dispositivos tradicionais (desconforto ou alergia, por exemplo); por preferência e até mesmo por escolhas religiosas.

Os métodos de contracepção natural consistem na identificação do período fértil. Ou seja, exige que a mulher conheça o seu próprio corpo e as alterações fisiológicas que acontecem de forma sutil. Em alguns casos é necessário, inclusive, fazer um registro diário de algumas informações, tais como datas de início e fim da menstruação.

Os métodos contraceptivos naturais mais conhecidos e praticados

 

termómetro basal

É muito importante salientar que, caso deseje fazer uso de algum destes métodos, procure antes o seu médico ginecologista e converse com ele sobre a opção que você pretende tomar. De forma geral, estes métodos que serão apresentados abaixo não são 100% seguros no que diz respeito à gravidez ou a doenças sexualmente transmissíveis.

1. Calendário Ogino Knaus  ou tabelinha

Para acompanhar, você deve criar um calendário com a data de início e fim do seu período menstrual. O método diz que, em um ciclo de 24 dias, o dia de número 1 será o primeiro dia da sua menstruação e o dia 25 o primeiro dia do seguinte ciclo. Dentro deste período classifica-se então os dias entre 1 e 7 como pré ovulatória; os dias entre 8 e 12 ovulatória (período fértil) e os dias entre 13 e 24 pós ovulatória.

O mesmo acontece para o ciclo de 30 dias; sendo o dia 1 o primeiro da menstruação e 31 o primeiro do próximo ciclo. Desta forma as datas que compreendem do dia 1 ao 13 é a pré ovulatória; do dia 14 ao 18 ovulatória (fértil) e do dia 19 ao 30, pós ovulatória.

Como fazer: crie uma tabela para conseguir identificar o seu período fértil e saber quando deve praticar a abstinência sexual. Considere que a mulher tem uma ovulação por mês, 12-14 dias antes da menstruação seguinte; o óvulo é viável cerca de 2 dias após a ovulação e o espermatozoide pode ser fecundante 3 a 5 dias após ejaculação. O período com menor risco é durante a menstruação.

Desvantagem: caso o período menstrual não seja regular, torna-se mais difícil acertar as datas e as chances de gravidez aumentam; em caso de doenças ou desregulação hormonal, o ciclo pode sofrer alterações; não previne doenças sexualmente transmissíveis.

2. Temperatura basal

A Temperatura Corporal Basal (TCB) é a temperatura medida do corpo, logo ao acordar e antes de fazer qualquer tipo de esforço físico, inclusive levantar da cama. Este método contraceptivo natural baseia-se no fato de o corpo humano sofre um aumento da temperatura basal (entre 0,2ºC e 0,5ºC) após a ovulação.

Como fazer: considere que o seu ciclo menstrual, neste caso, tem duas fases. A com a temperatura corporal basal natural (primeira metade) e aquela após o aumento que persiste até o fim deste ciclo (segunda metade). Para fazer o controle, anote todos os dias a sua TCB logo que acordar, para elaborar um gráfico. Tente fazer sempre no mesmo horário, todos os dias, com o mesmo termômetro (específico para a prática basal) e da mesma forma. A avaliação da temperatura poderá ser vaginal, oral ou retal (de preferência após 5-6 horas de sono).  A elevação da temperatura é um indício do período fértil e deve manter a abstinência durante este período de temperatura mais elevado.

Desvantagem: é preciso fazer um monitoramento contínuo durante alguns meses antes, para saber a média do seu corpo em específico; deve ser realizado o procedimento todos os dias; alteração no período de sono ou qualquer doença pode desregular a temperatura; não previne doenças sexualmente transmissíveis.

Esclareça as suas dúvidas sobre a pílula anticoncepcional

3. Coito interrompido

Algumas pessoas consideram esta técnica como um método contraceptivo natural. Ele consiste em evitar o contato do esperma masculino dentro do organismo da mulher.

Como fazer: esta técnica consiste na retirada do pênis (homem) de dentro da vagina (mulher) antes do processo de ejaculação. Ou seja, antes que o homem goze.

Desvantagens: a técnica exige certa concentração e percepção por parte do homem (pode ser difícil de controlar); pode líquido pré ejaculatório pode conter espermatozóides suficientes para que haja uma concepção; não previne doenças sexualmente transmissíveis.

4. Muco cervical (Billings)

Este método natural contraceptivo consiste na observação e identificação do muco produzido pelas glândulas do colo do útero. Esta secreção pode ser observada ao longo do ciclo menstrual, na entrada da vagina. Aqui divide-se o período de ciclo menstrual em dias secos e úmidos e é preciso observar e reconhecer as alterações deste muco, que variam ao longo do ciclo: na peri-ovulação é mais claro, mais abundante e com maior elasticidade (filância); após ovulação, é mais viscoso, opaco e menos abundante.

Como fazer:  você terá que observar o muco todos os dias, para identificá-lo. Nos dias secos, o muco é mais espesso a acaba por fazer uma barreira no colo do útero e praticamente não é possível notar secreções. Já nos dias úmidos, este muco vai se tornando cada vez mais abundante e fino até que acontece a ovulação. E o processo volta a acontecer. Durante os dias secos pode manter relação sexual e a abstinência, nos dias úmidos. Reinicia-se a atividade sexual no quarto dia após a fluidez máxima do muco.

Desvantagens: o muco pode ser confundido com os restos de sêmem; é preciso conhecer e identificar as variações do seu organismo; não previne doenças sexualmente transmissíveis.

Leia também sobre o método contraceptivo de implante hormonal

5. Método Sintotérmico

Este método é a união da avaliação da Temperatura Basal e do Muco Cervical. Para isso é preciso identificar os dias férteis e inférteis e relaciona-los com a aparência do muco.

Como fazer: é preciso combinar os resultados. Você já sabe que o como período fértil inicia-se logo após o surgimento de secreções vaginais e termina no quarto dias depois, após a fluidez máxima do muco cervical. E, que a temperatura basal que aumenta com a ovulação. Ou seja, este é o seu período fértil.

Desvantagens: são as mesmas apresentadas em cada um destes métodos contraceptivos naturais, o da temperatura basal e do muco cervical; exige muita disciplina, controle e conhecimento do organismo.

6. Método do dia standard

Este é o método mais simples e muito utilizado por aquelas mulheres que possuem ciclos menstruais de no mínimo 26 dias e no máximo, 32 dias.

Como fazer: define-se o período fértil do 8º até ao 19º dia do ciclo. Ou seja, os demais dias são aqueles considerados mais seguros para quem não deseja engravidar.

Desvantagens: requer longos períodos de abstinência; não é aconselhado em circunstâncias que podem afetar o tempo da ovulação (ingestão de medicamentos, por exemplo); e não não previne doenças sexualmente transmissíveis.

Vantagens dos métodos contraceptivos naturais

Apesar de requerer disciplina, período de adaptação e conhecimento do organismo, estes métodos também possuem as suas vantagens:

  • Não fazem uso de substâncias químicas;
  • Permite que a mulher conheça o seu período fértil;
  • São mais baratos (ou não têm custos);
  • Não há efeitos secundários ou alterações hormonais

Alternativa aos métodos contraceptivos naturais

 

camisinha

Apesar de existirem vários métodos contraceptivos naturais e tradicionais, poucas são as pessoas que os conhecem. O mais popular é o preservativo masculino, também conhecido como camisinha. Mas para quem não consegue reconhecer estas reações e alterações do organismo ou não deseja utilizar único e exclusivamente os  métodos naturais, há estas opções:

  • Camisinha (Masculina e Feminina);
  • Pílula Anticoncepcional;
  • Pílula do Dia Seguinte;
  • Espermicida;
  • Anel Contraceptivo;
  • Diafragma;
  • Diu (Dispositivo Intrauterino);
  • Adesivo Anticoncepcional
  • Injeção Contraceptiva;
  • Vasectomia / Laqueadura (método cirúrgico).