Bigmãe

Desabafo de Mãe – Temos que falar sobre isso

Ser mãe é o sonho de muitas mulheres, mas com a maternidade muitos outros sentimentos nascem além do amor pelo bebê. No universo materno nem tudo é perfeito, e muitas vezes na hora da apreensão emociocional, na hora da tristeza é que nasce a necessidade de ter com quem falar e desabafar sobre as angústias pós parto e os desafios de cuidar de um ser tão pequenino. Pensando nisso e baseada em suas experiências como mãe, Thais Cimino criou a  ONG Temos que Falar Sobre Isso, uma plataforma virtual que dá apoio a outras mulheres e mães que se sentem sozinhas.

O projeto ganhou o nome de «Desabafos Anônimos» e como o nome já diz tem como objetivo ser um espaço destinado a desabafar; é neste espaço que muitas mães falam pela primeira vez sobre o que as aflige, e onde encontram outras mulheres que vivenciam as mesmas experiências e assim podem trocar idéias, e se identificarem uma com as outras, partilhando opiniões, sentimentos, dores, e alegrias.

Desabafo de Mãe - Temos que falar sobre isso

Os assuntos mais falados giram em torno do desconforto com as cobranças alheias, a sensação de não dar conta de tudo, o fato de não se sentir feliz com a maternidade, a falta de apoio social e da família, a depressão pós-parto e as dificuldades com amamentação, etc.

«Temos que falar sobre isso» é um espaço para desabafos de mulheres que, desamparadas, que não encontram ajuda ou apoio para falar sobre isso.Mães com dificuldades em contar suas histórias por medo de serem consideradas incapazes de cuidar de seus próprios filhos, por vergonha, por insegurança, por se sentirem sozinhas ou qualquer razão seja, têm um espaço de acolhida e suas vozes serão ouvidas.

Saiba mais em: – Temos que falar sobre isso

O site também com com publicações periódicas de artigos de colaboradores da área de saúde e outros especialistas, de psicologia e obstetrícia, além de uma seção de consultas jurídicas gratuitas, para orientar mulheres sobre assuntos relacionados à maternidade, como guarda dos filhos, divórcio e violência doméstica.

Fonte: Revista Donna